YouTube vai começar a excluir vídeos que recomendem cloroquina ou ivermectina

Apenas conteúdos de base educacional ou científica serão mantidos na plataforma

Por: Adriane Garotti | 16 abril - 17:45

Em sua recente atualização de regras de conteúdo, o YouTube anunciou que passará a remover os vídeos que estiverem recomendando medicamentos como cloroquina ou ivermectina como forma de tratamento para a Covid-19.

Essa nova regra visa tentar diminuir as falsas notícias sobre prevenção e tratamento da doença. Também vai ser possível frear a facilidade das pessoas que enxergam no YouTube uma forma prática de espalhar informações falsas, através de vídeos que parecem verídicos e embasados. 

Youtube na tela do celular

(Foto: Reprodução/Pixabay)

“Na plataforma, também não é permitido o envio de conteúdo que dissemine informações médicas incorretas que contrariem as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde) ou das autoridades locais de saúde sobre a covid-19”, informou o documento de políticas de uso da plataforma. 

O YouTube informou que os conteúdos de base educacional, informativo ou científico continuarão ativos no site de vídeos. Essa é uma maneira de dar espaço para informações verdadeiras e que tenham o intuito de orientar as pessoas nesses momentos de incertezas e fake news.

“Podemos abrir algumas exceções caso o objetivo do vídeo seja condenar ou combater as informações equivocadas que violam nossas políticas. Esse contexto precisa ficar evidente nas imagens ou no áudio do próprio vídeo. Fornecer esses detalhes no título ou na descrição não é suficiente”, informou o YouTube.

Conteúdos que vão ser removidos pelo YouTube:

  • Tratamento 
  • Prevenção 
  • Diagnóstico 
  • Transmissão 
  • Diretrizes sobre distanciamento social e autoisolamento 
  • A existência da Covid-19
  • Uso indevido da cloroquina e da ivermectina como forma de tratamento

Uso incorreto de medicamentos na pandemia

Muitos remédios estão sendo utilizados de forma inadequada como forma de tratamento da Covid-19. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS), já afirmou que eles não apresentam eficácia contra a doença, além de poderem causar efeitos colaterais graves em alguns pacientes que fazem uso a longo prazo. 

No caso da cloroquina e da ivermectina, que vão começar a ser removidos pelo YouTube caso o conteúdo incentive o uso desses medicamentos, não possuem comprovação científica no tratamento do novo coronavírus.

Fonte: site Tilt Uol

LEIA MAIS:

YouTube atualiza seus termos associados a incitação ao ódio sobre seus usuários

YouTube diz que vídeos que violam regras têm menos de 0,2% de visualizações

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: