Pinterest irá permitir que os funcionários denunciem discriminação, apesar dos NDAs

Funcionários assinam um documento obrigatório dentro da empresa, e ficam impossibilitados de falaram algo

Por: Aline Rocha Lemos | 14 abril - 08:45

Pinterest é uma plataforma que se tornou muito popular, se assemelha com fotos e vídeos de inspirações, onde o usuário pode compartilhar e gerenciar suas imagens, jogos, hobbies, publicações de looks inspiradores, entre outros.

Mas, a plataforma tem grandes acusações sobre funcionários sofrerem discriminação. Uma ex funcionária, chamada Ifeoma Ozoma, acusou o Pinterest por tentar silencia-lá, ela que ajudou a redigir a nova Lei “Silenced No More” na Califórnia. Segundo o jornal The New York Times a Ifeoma diz que os acordos de não divulgação (NDAs) não devem manter denunciantes sobre controle.

Funcionários assinam documento dentro do Pinterest que impossibilita-os de falaram algo

Imagem: Divulgação/Pinterest

O Pinterest diz que, com efeito imediato, não irá pedir para os funcionários assinarem os NDAs que os impedem de falar sobre essas coisas que sofrem trabalhando na rede social.

O chefe global de comunicações da Pinterest diz ao Protocol: “não exigiremos que os funcionários assinem acordos que os impedem de falarem sobre suas experiências pessoais no Pinterest depois de saírem” ou seja, parece que enquanto o funcionário esteja trabalhando na empresa não poderá falar nada, somente quando for demitido.

O CEO do Pinterest, Ben Silbermann relata apoio sobre a nova lei na Califórnia. “Independentemente do que aconteça na legislatura, se o projeto avança ou não, vamos adotar as políticas por trás da lei proposta”, escreveu ele, segundo o Protocolo.

LEIA MAIS:

Pinterest anuncia fundo de R$ 2,8 milhões para pequenos influenciadores

Pinterest terá “lembrete de positividade” no seu novo código de conduta

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você