Grupo de ativistas pede boicote a Six Days in Fallujah

Jogo retrata um dos piores momentos da Guerra do Iraque e foi descrito pelo grupo como "simulador de assassinar árabes"

Por: Gabriel Figueiredo Monteiro. | 09 abril - 18:49

O conselho de relações islâmico-Americano (CAIR) publicou um comunicado pedido à Microsoft, Sony e Valve que não distribuam o jogo Six Days in Fallujah.

No texto, o grupo descreve o game como um “simulador de assassinar árabes” e que a produção glorifica a violência que tirou a vida de mais de 800 civis iraquianos na batalha que ficou conhecida como uma das mais sangrentas da Guerra do Iraque.

O jogo retrata seis dias na Segunda batalha de Fallujah. Segundo a produtora, mescla trechos de jogabilidade com vídeos de relatos de veteranos do exército americano e civis iraquianos para trazer várias perspectivas do combate.

No entanto, o CAIR diz que apenas normaliza a violência contra muçulmanos nos EUA e ao redor do mundo e pede às distribuidoras que não ofereçam o game em suas plataformas.

O jogo foi originalmente anunciado em 2009 em uma parceira da Konami com o estúdio Atomic Games, porém, com a extrema repercução negativa, a publisher desistiu do projeto. 

A polêmica voltou à mídia em fevereiro deste ano quando o estúdio Highwire Games e a publicadora Victura anunciaram a retomada do da produção do jogo.

Six Days in Fallujah ainda não tem uma data oficial de lançamento, mas deve chegar ainda neste ano.

Veja também:

Ogivas nucleares aparecem em COD Warzone antes da hora

Nova temporada de Halo MCC já está disponível para consoles e PC 

E3 2021 será evento digital e totalmente gratuito

Deathloop é adiado (de novo) para setembro deste ano

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:


Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você