Google teria usado projeto secreto para manipular anúncios de publicidade

Empresa está sendo processada com base nas leis antitruste no Texas

Por: Gabrielle Gonçalves | 12 abril - 21:38

Documentos de um processo antitruste no Texas, Estados Unidos, mostraram que o Google usou durante anos um programa secreto para ter vantagem sobre seus concorrentes na compra de anúncios. A empresa utilizava dados de licitações anteriores para aumentar as chances dos seus clientes ganharem espaços publicitários nas buscas.

Foto: CLAY MCLACHLAN/REUTERS

Os sites que veiculam anúncios são chamados de editores. Eles vendem espaço em suas páginas para publicidades de outras empresas. Os anunciantes dão lances para conseguir esses espaços e quem der o lance mais alto ganha. No programa do Google, chamado de “Projeto Bernanke”, os anunciantes eram orientados sobre o preço que deviam oferecer para conseguir ganhar dos rivais. Para isso, ele utilizava os lances históricos do Google Ads.

O Google também atua como um comprador de anúncios por direito próprio, vendendo espaços em suas próprias propriedades, como pesquisa e YouTube, por meio desses mesmos sistemas.

Segundo reportagem do The Wall Street Journal, o uso de informações de licitação pelo Google, alega o Texas, resultou no comércio de informações privilegiadas nos mercados de anúncios digitais. Como o Google tinha informações exclusivas sobre o que outros compradores de anúncios estavam dispostos a pagar, ele poderia competir injustamente com ferramentas rivais de compra de anúncios e pagar menos aos editores por seus lances vencedores.

O jornal também afirma que os documentos foram registrados pelo Google no início da última semana e não foram devidamente editados quando enviados ao tribunal.

A empresa reconhece a existência do Projeto Bernanke. Ela afirmou no processo que os detalhes das operações não eram divulgados aos editores. O Google também negou que houvesse algo errado em usar as informações que tinha para dar dicas sobre as licitações aos seus clientes.

Ainda foi reconhecida como precisa uma apresentação interna de 2013, mostrando que se esperava que o projeto gerasse US$ 230 milhões em receitas naquele ano. O Texas citou essa apresentação como prova de que o Google se beneficiou de sua vantagem.

O processo ainda abriu portas para esclarecimentos sobre um acordo entre o Google e o Facebook, conhecido como Jedi Blue. O acordo supostamente garantia que a rede social faria lances – e ganharia – uma porcentagem fixa dos leilões de anúncios. A empresa de Mark Zuckerberg não se posicionou sobre o assunto.

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: