Amazon é processada por negar intervalos de almoço para seus funcionários

Ultimamente a empresa está sendo líder de muitas críticas e processos, confira

Por: Aline Rocha Lemos | 31 março - 11:20

A Amazon é acusada por uma funcionária, que alega a empresa por negar intervalos de almoço na Califórnia. O processo iniciou pela primeira vez no Tribunal Superior do Condado de San Francisco em fevereiro, o caso foi removido para o Tribunal Distrital dos Estados Unidos na Califórnia, Distrito Norte, na sexta-feira (26). Além disso, a ação alega que a companhia trabalha com equipes menores do que o necessário e atrasa no pagamento de salários.

Amazon enfrenta mais um processo, por negar intervalos a seus funcionários

Imagem: Divulgação/Amazon

A funcionária que acusou, trabalhou no depósito de Vacaville desde outubro de 2016 até janeiro de 2019. Seu nome é Levenia Scott, e na ação alega que a empresa não programou os intervalos de 30 minutos para as refeições dos trabalhadores. E quando faziam os intervalos para refeição, “os trabalhadores deveriam monitorar seus walkie-talkies”. O que reduzia o tempo de descanso, pois precisavam ser carregados para qualquer local da empresa em qualquer horário.

Scott, afirma que as filas eram enormes para ir relógio de ponto, por esse motivo o tempo de almoço era mais reduzido ainda, os últimos da fila sempre tinham um menor tempo para refeição. Tinham muitos colegas que almoçavam no mesmo horário que os demais, e isso causava o maior tumultuo.

A Amazon entrou em contato com seus advogados para tentar amenizar o caso, e reverter a situação, caso tenha provas que contradizem sua ex funcionária.

LEIA MAIS:

Amazon está abrindo novo estúdio de jogos em Montreal, no Canadá

Entregadores da Amazon precisam aceitar nova política de vigilância, para evitar demissão

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: