iPhone e Apple Watch podem monitorar doenças cardíacas

Estudo realizado pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, apontou que profissionais da saúde podem acompanhar batimentos cardíacos de seus pacientes remotamente

Por: Gabrielle Gonçalves | 04 abril - 15:29

Um estudo realizado pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, apontou que profissionais de saúde podem monitorar os batimentos cardíacos de seus pacientes remotamente. Os resultados foram publicados na Revista PLOS ONE.

Foto: Freepik

A pesquisa acompanhou, durante seis meses, 110 pacientes que deviam fazer procedimentos relacionados ao coração. Eles foram equipados com um iPhone 7 e um Apple Watch Series 3, com o aplicativo de pesquisa VascTrac instalado.

Os voluntários foram analisados em duas situações: uma consulta clínica depois de uma caminhada de seis minutos e um teste realizado em casa, ambos por meio do VascTrac. O objetivo era ver se as duas apontariam os mesmos resultados.

O aplicativo VascTrac foi capaz de avaliar a fragilidade com alta sensibilidade, 90%, enquanto o mesmo teste realizado em casa e medido no aplicativo teve uma taxa de sensibilidade um pouco menor, 83%. As taxas de especificidade também foram menores do que no ambiente clínico, caindo de 85% para 60%.

Contudo, esses níveis são considerados altos o suficiente para serem úteis, e os dados coletados em casa são considerados  “quase tão precisos na previsão da fragilidade cardiovascular quanto os resultados obtidos na clínica”.

Dessa forma, o estudo concluiu que “a fragilidade e a capacidade funcional podem ser monitoradas e avaliadas remotamente em pacientes com doenças cardiovasculares, permitindo um monitoramento após e com maior resolução dos pacientes”.

No relatório, ainda há detalhes como os tipos de intervenções cardiovasculares que os pacientes do estudo estavam aguardando e o tipo de dados coletados (passos dados a cada dia, passos dados sem parar por mais de um minuto e distância total caminhada). Nessa coleta, o Apple Watch foi bem preciso.

As vantagens disso estão no fato do acompanhamento remoto ser menos estressante para os pacientes e também liberar tempo para os médicos, além de trazer informações complementares.

Vale lembrar também que o iPhone 7 e o Apple Watch 3 não possuem os hardwares mais avançados existentes da Apple. Dispositivos mais modernos podem ser potencialmente melhores e trazerem resultados ainda mais precisos.

Fonte: Forbes

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: