Você sabia que é possível comprar roupas virtuais?

As peças digitais saíram dos games e têm sido uma aposta do universo da moda para um consumo mais sustentável e acessível. Entenda como funciona

Por: Gabrielle Gonçalves | 23 abril - 20:20

Esqueçam as peças físicas, os closets e os guarda-roupas. As roupas virtuais são uma tendência no mundo da moda e da internet e já fazem parte da nossa realidade. Manipuladas virtualmente por meio de softwares 3D, elas podem ser compradas para se encaixarem nas fotos dos clientes.

Em 2019, uma das primeiras peças de roupas virtuais foi leiloada por US$ 9,5 mil (cerca de R$ 52 mil em conversão direta, segundo a cotação atual). O vestido, feito de pixels, foi criado pela marca holandesa The Fabricant, especializada em vestimentas digitais e desenvolvedora da plataforma Leela, na qual é possível criar de graça o seu acervo online.

Foto: Kerry Murphy/The Fabricant

Por meio de programas de animação e efeitos visuais, as marcas criam as peças de vestuário para serem inseridas principalmente em fotografias dos consumidores. Os clientes escolhem as roupas nos sites das fabricantes e, após a compra, enviam a imagem na qual gostariam de adicionar o produto. A peça comprada não é enviada fisicamente.

As roupas virtuais prometem trazer uma nova experiência de compra para o universo da moda, a partir de um consumo mais sustentável. Estima-se que a indústria seja responsável pela emissão de 1,2 bilhão de toneladas de gases de efeito estufa por ano – valor que supera a aviação comercial e a indústria naval juntas.

A marca Dress-X, fundada pelas ucranianas Daria Shapovalova e Natalia Modenova, é uma das empresas que apostam na troca do “fast fashion” pelo “fast fashion digital”. As fundadoras afirmam que a ideia surgiu depois que elas descobriram que 9% dos habitantes de países desenvolvidos compram roupas novas apenas para postar nas redes sociais.

A Dress-X tem como objetivo promover a sustentabilidade e maior acessibilidade a itens de luxo, alta costura e roupas exclusivas. No site da marca, é possível encontrar peças que vão de US$ 25 a US$ 1 mil (cerca de 136,00 a 5,4 mil reais).

No mês passado, a grife italiana Gucci também resolveu apostar na moda digital, com o tênis The Gucci Virtual 25. O calçado pode ser comprado por US$ 12,99 (cerca de 70,00 reais) no aplicativo oficial da Gucci ou por US$ 8,99 (cerca de 50,00 reais) no aplicativo de tênis AR Wanna Kicks – valores bem abaixo dos preços convencionais da grife.

Os tênis Gucci Virtual 25 foram criados pelo diretor criativo da Gucci, Alessandro Michele, e apresentam um visual robusto, verde neon e rosa. O modelo foi criado em parceria com a Wanna, empresa já especializada neste segmento. Para usá-los, basta apontar a câmera traseira do seu celular para os pés e eles estarão calçados automaticamente.

Foto: Divulgação/Gucci

Outro uso das roupas virtuais são como uma espécie de provador. Algumas marcas já apostam no estilo para que os clientes tenham a oportunidade de visualizar como a roupa ficaria no corpo e, assim, decidir se desejam comprá-la ou não.

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: