Tesla torna público dados do carro elétrico envolvido em acidente

Pela primeira vez, a marca divulgou documentos e afirma que a culpa foi da motorista

Por: Adriane Garotti | 23 abril - 20:38

Após um recente protesto, no dia 19 de abril, que uma proprietária de um Model 3 fez no estande da Tesla no Salão Automóvel de Xangai, na China, a montadora decidiu divulgar publicamente os dados do carro elétrico da marca que estava envolvido no acidente. A mulher afirma que o ocorrido quase tirou a vida de quatro pessoas da sua família, pois “os freios do veículo não funcionam”.

Segundo o site China Market Supervision News, a divulgação dos documentos aconteceu após uma suposta forma de contato da montadora com a protestante. Porém, sem a Tesla receber uma resposta, a decisão foi de tornar público os dados que supostamente afirmam que a culpa foi da motorista que não realizou a pressão suficiente no pedal do freio do veículo elétrico. 

A Tesla já foi muito criticada por nunca liberar dados oficiais em situações onde seus produtos tecnológicos apresentam supostos defeitos – algumas vezes causando até acidentes. Por isso, essa ação foi completamente inesperada, principalmente após o protesto realizado recentemente pela cliente da marca. 

“Mais de uma vez foi demonstrado que o piloto automático salva vidas e reduz as taxas de acidentes, e acreditamos que é importante que o público tenha uma compreensão real de nossa tecnologia. Em casos incomuns em que já foram feitas alegações publicamente sobre nossos veículos por clientes, autoridades ou outros indivíduos, divulgamos o suficiente de informações para corroborar ou refutar essas alegações. A privacidade de nossos clientes é extremamente importante e é algo que levamos muito a sério e, nesses casos, a Tesla divulga apenas a quantidade mínima de informações necessárias”, explicou a Tesla em nota oficial. 

Já o documento divulgado também pelo site China Market Supervision News, tem o intuito de esclarecer a afirmação da Tesla de que a marca e o veículo não apresentaram nenhum defeito no acidente ocorrido. Segundo os dados presentes no documento, os freios não foram acionados corretamente, então, o freio de emergência que é automático fez seu papel e reduziu o impacto da colisão. 

“Quando o motorista pisou no pedal do freio pela última vez, os dados mostraram que a velocidade do veículo era de 118,5 km/h. Em 2,7 segundos após o motorista pisar no pedal do freio, a pressão máxima do cilindro mestre do freio era de apenas 45,9 bar. Depois disso, o motorista aumentou a pisada no pedal do freio e a pressão do cilindro atingiu 92,7 bar. O aviso de colisão frontal e a função de travagem automática de emergência foram acionados e desempenharam o papel devido, reduzindo a força da colisão”, afirma uma parte específica do documento. 

Por enquanto, a cliente da Tesla não se pronunciou publicamente sobre a divulgação desses documentos por parte da montadora. A empresa ainda garante que possui dados que mostram os 30 minutos que antecederam o acidente.

Fonte: site Olhar Digital

LEIA MAIS:

Elon Musk nega que carro da Tesla envolvido em acidente estava em piloto automático

Elon Musk é flagrado por multidão enquanto dirige o Tesla Cybertruck

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: