Parlamentares europeus acusam Rússia de usar deepfakes para imitar opositores

Políticos do Reino Unido, Letônia, Estônia e Lituânia teriam sido enganados em videochamadas com falsas figuras da oposição ao governo de Putin

Por: Gabrielle Gonçalves | 26 abril - 21:28

A Rússia está sendo acusada de usar deepfakes para imitar opositores do governo durante reuniões virtuais com parlamentares europeus. O objetivo seria obter informações sobre os planos do movimento liderado pelo ativista Alexei Navalny, principal crítico do governo de Vladimir Putin.

Vladimir Putin. Foto: Kevin Lamarque/Reuters

O deepfake é um tipo de inteligência artificial usada para fazer vídeos falsos, porém bastante realistas, usando rostos e vozes de pessoas reais. A tecnologia é utilizada principalmente em montagens envolvendo celebridades e políticos.

Entre os enganados estariam os presidentes dos comitês de relações exteriores do parlamento da Letônia e do Reino Unido, Rihards Kols e Tom Tugendhat, respectivamente. Além deles, parlamentares da Estônia e da Lituânia também teriam sido alvos da suposta armadilha.

As denúncias contra a Rússia foram feitas no Twitter por Rihards Kols. Na publicação, o político postou uma fotografia real de Leonid Volkov, um aliado de Navalny, e uma captura de tela de uma videochamada que ele teria feito com alguém se passando por Volkov.

O próprio Volkov respondeu dizendo que os dois eram virtualmente idênticos. “Parece meu rosto real – mas como eles conseguiram colocá-lo na chamada do Zoom? Bem-vindo à era deepfake…”, escreveu o ativista.

Tom Tugendhat também utilizou a rede social para se manifestar sobre o assunto. “O Kremlin (sinônimo de “fortaleza” em russo) de Putin está tão fraco e amedrontado da força de @navalny… eles estão conduzindo reuniões falsas para desacreditar a equipe Navalny. Eles conseguiram me comunicar hoje. Eles não vão transmitir as partes em que chamo Putin de assassino e ladrão, então vou colocar aqui”, tuitou o parlamentar.

As abordagens

Richards Kols alega que foi abordado por e-mail por uma pessoa dizendo ser Leonid Volkov. Eles teriam realizado uma curta videoconferência, na qual discutiram o apoio aos prisioneiros políticos russos e a anexação russa da Crimeia.

Só mais tarde Kols teria percebido que podia ter sido vítima de uma pegadinha de alta tecnologia. “Uma lição bastante dolorosa, mas talvez também possamos agradecer a esse falso Volkov por essa lição para nós e para os colegas da Lituânia e da Estônia”, escreveu ele. “É claro que a chamada decadência da verdade ou era pós-verdade e pós-fato tem o potencial de ameaçar seriamente a segurança e a estabilidade de países, governos e sociedades locais e internacionais.”

Segundo o jornal britânico The Guardian, a resolução ruim nas chamadas de vídeo explicaria, em parte, porque a armadilha não foi imediatamente visível para os alvos.

Os suspeitos

Volkov acusou uma dupla russa de comediantes chamada Vovan e Lexus de estar por trás da chamada. Eles são conhecidos por fazerem pegadinhas com políticos e ativistas ocidentais.

Vovan e Lexus. Foto: Desconhecido

Procurado, Lexus não negou ter conversado com Kols, mas disse que manteria a confirmação em segredo. Ele também afirmou que não fez o uso de um filtro para aparecer como Volkov e ainda escreveu: “Provavelmente Volkov tem informações falsas”.

Fonte: The Guardian

LEIA MAIS:

Rússia anuncia retirada de tropas da fronteira com a Ucrânia

Rússia quer construir sua própria estação espacial até 2025

Rússia investiga YouTube por “abuso de posição dominante”

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você