Internauta diz que Mirella tem ‘bumbum de suricato’ e MC rebate: “Acha que tamanho é impacto”

A MC não gostou do que leu e mandou o recado

Por: Alefy Soares | 26 março - 16:53

Sempre de olho nos comentários de suas redes sociais, MC Mirella foi elogiada pelos fãs ao rebater um comentário ofensivo em seu Twitter. Após divulgar uma foto em que aparece em uma pose que evidencia o bumbum, uma fã criticou os glúteos da cantora.

“Bunda de suricato (risos)”, escreveu. Em seguida, com o apoio de mais de 272 mil seguidores, Mirella rebateu: “Coitada acha que tamanho de bunda é equivalente ao tamanho do IMPACTO”.

Veja: 

  • 1/2 Foto: Reprodução/Twitter
  • 2/2 Foto: Reprodução/Twitter

Nos comentários, a galera adorou a resposta: “Não da moral, ídola! Eles te julgam mas não sabem sua história!”, escreveu um. “Aposto que a dela deve ser muito linda pra tá falando né!?”, brincou mais uma. “Ela poderia ter ficado sem essa”, apontou uma terceira.

MAIS DE MC MIRELLA 

Sem sutiã, MC Mirella sensualiza no Instagram e fãs piram: “Que mulherão!”

Clipe em que MC Pocahontas aparece nua atinge a marca de 60 milhões de views

MC Mirella desabafa sobre sua adolescência: “Fui xingada e apanhava horrores”

Recentemente, MC Mirella foi às redes sociais e fez um desabafo sobre algumas dificuldades que enfrentou ao longo de sua vida. Ilustrando o texto reflexivo, a funkeira publicou uma foto na qual aparece de biquíni fio-dental e com o bumbum tatuado.

“Quando eu era mais nova, cresci com a ideia de que eu sempre era inferior às demais pessoas, por diversos motivos, por não ter a quantidade de tênis que tinham, roupas caras, a quantidade de laços que as meninas tinham, as unhas bonitas, peitão, bundão ou um coxão, os meninos falavam que eu parecia uma tábua e nunca teria um namorado, eu tinha os dentes tortos, mal sabia andar direito, era muito insegura, ia pra escola carregando uma bolsa super pesada e sempre caia (e até hoje sou meio atrapalhada, vivo tropeçando) e me machucava na escola e as pessoas riam de mim, a minha voz era muito fina, as pessoas me chamavam de taquara rachada”, começou ela.

Foto: Reprodução/Instagram

“Isso tudo me fez crescer com a cabecinha um pouco abalada, a sorte é que eu gostava muito de ler, assistir, mexer na internet e me distraia com isso. Eu tinha dificuldade em matemática e química, as professoras dessas matérias, me tratavam muito mal, de vez em quando eram um pouco simpáticas, mas sempre fiquei reprimida por isso tudo. Pra alguns pode ser pouco, mas quando você está inclusa num grupo onde os demais são tratados de uma maneira superior a você, e você é uma criança, não consegue entender muito bem o porquê e isso abala. Todos os meninos que eu gostava quando mais nova, não gostavam de mim, todas meninas tinham um “namoradinho”, ficavam com seus grupinhos no intervalo e eu sempre reservada e sozinha. Pra não falar que eu não tinha nada, eu tinha algumas amigas”, continuou ela. Leia mais.

Deixe seu comentário