Fernanda Gentil escreve texto emocionante para despedida do esporte da TV Globo

"Que delícia é fechar um ciclo com a sensação de missão cumprida", começou a jornalista

Por: Marielle Rojas | 10 dezembro - 15:01

Após confirmar sua saída do esporte para o entretenimento da TV Globo, Fernanda Gentil apresentou no domingo (9) seu último “Esporte Espetacular”. Nas redes sociais, a jornalista emocionou com um textão sobre a alegria de realizar um sonho.

“Que delícia é fechar um ciclo com a sensação de missão cumprida, mas que difícil é despedir do gostinho de realizar um sonho todos os dias. Que realização é partir para um novo e imenso desafio, mas que diferente é sair daquilo com o qual você mais sonhou a vida toda”, afirmou ela.

Foto: Reprodução/ Instagram

Fernanda Gentil revela que se casou em segredo com Priscila Montandon

Seu próximo trabalho na emissora ainda não foi divulgado, mas a apresentadora agradeceu aos fãs, familiares e colegas de trabalho que a acompanharam por todos esses anos.

“Agora embarco em novos desafios e diferentes empreitadas com a mesma vontade de fazer dar certo, claro. Mas sonho é um só; foi aquele. E tá realizado. Sem modéstia mas com humildade posso dizer; tá entregue”, continuou Fernanda.

“E com pacote completo. Barba, cabelo e bigode. Copas, olimpíadas, e apresentações. Transmissões, quadros e reportagens. Ceguinho, 7 x 1 e choro. Gafes sorrisos, vivos. madrugadas, tardes e noites. Fiz de tudo, um muito… e de tudo, tudo foi incrível. Inesquecível”, disse.

Foto: Reprodução/Instagram

Leia o texto na íntegra:

“De todos os textões já escritos aqui, esse é um dos mais difíceis. Não sei nem por onde começar… e antes da primeira frase, já tinha aqui uma primeira lágrima. E quanto decido por onde começo, o tal filme na cabeça já tá rodando: o desejo adolescente de trabalhar com esporte, os perrengues, conquistas, lições, quedas, e enfim 13 anos realizando o sonho -dos 13, 10 na casa. Diante desse longa, o coração fica curto. Apertado. Pequeno. Pequeno de tanta coisa grande dentro dele.

Que delícia é fechar um ciclo com a sensação de missão cumprida, mas que difícil é despedir do gostinho de realizar um sonho todos os dias. Que realização é partir para um novo e imenso desafio, mas que diferente é sair daquilo com o qual você mais sonhou a vida toda. Opa, minto. A vida toda não; por 19 anos. Na verdade esse foi o tempo que vivi sem trabalhar com o esporte. Considerando que até 13 só tinha olhos para Sandy & Jr., então 6 pelo menos foram desse lugar desenfreada e declarada para conseguir uma vaga no que que a gente sempre ouve como o “canal campeão”. E quando chega nele vê que não é isso. E mais que isso – o canal campeão porque ele é feito por campeões.

E por 6 anos não medi esforços para entrar lá. Foi difícil entrar. E tá sendo difícil sair. Agora embarco em novos desafios e diferentes empreitadas com a mesma vontade de fazer dar certo, claro. Mas sonho é um só; foi aquele. E tá realizado. Sem modéstia mas com humildade posso dizer; tá entregue. E com pacote completo. Barba, cabelo e bigode. Copas, olimpíadas, e apresentações. Transmissões, quadros e reportagens. Ceguinho, 7 x 1 e choro. Gafes sorrisos, vivos. madrugadas, tardes e noites. Fiz de tudo, um muito… e de tudo, tudo foi incrível. Inesquecível.

E como tem muita letra pra pouco espaço, não posso deixar de agradecer em primeiríssimo lugar, os meus pais. Estavam lá pra duvidar, questionar, aplaudir de pé – e no início não era porque tava bom não, mas porque não tinha espaço pra sentar mesmo. Aplaudiram de pé a minha estreia no Esporte Interativo espremidos numa salinha. Quando trabalhei na editoria cidade na Band (não tinha vaga em esportes) me viram subir morro com colete à prova de balas, apreensivos. Me abraçaram quando pedi uma última chance para entrar no canal campeão através daquele curso da Vanessa Riche. Entrei. E eles de novo me aplaudiram, apreensivos, mas abraçados a mim.

Obrigada, Felipe, meu irmão, por sempre, sempre, SEMPRE acreditar. Até quando eu duvidei, você tava acreditando. Me olhava a cada degrau subindo com um sorriso – e uma covinha linha – como quem diz “não falei?”. Amigas, amigos, família de sangue e família do trabalho: obrigada. Você que nem me conhecia mas me viu em algum momento na televisão e começou a me acompanhar; obrigada.

A você que não parou de me acompanhar por causa da cor do meu cabelo, da roupa que eu visto, ou porque gosto de amarelo e não de verde, muito mais obrigada. E especialmente a um carinho, o único, que sabe exatamente todas as vezes que chorei, ri, bati cabeça na parede, sofri e comemorei: Deus. OBRIGADA. Revendo essas fotos todas só posso sentir e agradecer. To indo ali me aventurar um pouquinho e mesmo sem saber direito o que vai ser, quero convidar todos vocês pra minha nova caminhada. Porque seja ela qual for, só vai ser, se for com vocês. Vamos?”

Deixe seu comentário

Mais lidas

Recomendadas para você