“Venom” aposta em lado mais ‘humano’ do vilão mas não emociona

Filme estreia nos cinemas nesta quinta-feira (4)

Por: Gabriela Orsini | 04 outubro - 3:10 PM | comentários

A Marvel decidiu apostar em filmes de vilões, e pela Sony Pictures “Venom” foi feito. Apesar de contar uma história interessante para a origem do personagem, o longa não consegue emocionar o suficiente para entrar no hall de ‘filmões Marvel’.

No filme vemos como o simbionte Venom e outros chegaram à Terra, através de uma exploração espacial da empresa Fundação Vida. Também vemos um Eddie Brock fora de Nova York, ganhando a vida como um conhecido repórter investigativo, que se envolve em um caso da empresa citada, e sua vida começa a mudar radicalmente.

Além do envolvimento Eddie-Venom, outro constante no filme é Eddie-Anne, ex-noiva do jornalista. Fica claro que Anne está ali para trazer o lado humano de Eddie à tona, buscando fazer com que o público se relacione e entenda o personagem.

Mas apesar disso e um roteiro bom, a produção não entrega um filme agradável aos olhos. Comparando com outros filmes do gênero e os efeitos que existem hoje em dia, “Venom” deixou a desejar nesse quesito. Principalmente na transformação do simbionte.

Por conta da classificação de 14 anos, o filme acaba não explorando o lado violento do vilão, e mesmo quando existe uma cena mais forte, palavrões e sangue são deixados de lado. Então acabamos vendo um Venom mais ‘humano’, por assim dizer, onde Eddie Brock é uma espécie de consciência que diz o que é certo ou não, e o que ele pode fazer.

Vale conferir “Venom” nos cinemas, que estreia nesta quinta-feira (4), para ver o que foi feito, pois esse filme pode abrir uma grande porta para novos longas de vilões. Além de ter algumas boas cenas de humor. Mas não vá com muitas expectativas.

Lembrando que o filme tem duas cenas pós-créditos, e algumas aparições e referências bem legais!

Confira o trailer:

Deixe seu comentário