Com uma boa história mas sem criatividade, “Slender Man” não atende as expectativas

Um personagem com tantas excentricidades e profundidade, se tornou um "João Bobo"

Por: Alefy Soares | 22 agosto - 8:04 PM | comentários

O longa “Slender Man: Pesadelo Sem Rosto”, surgiu com a dura tarefa de mostrar ao mundo uma das maiores lendas da internet, que já aterrorizou muitas pessoas com seus contos e, claro, diversos jogos assustadores… Bom, parece que a tarefa era grande demais para o roteirista David Birke.

“Slender Man: Pesadelo sem Rosto” conta a história de quatro amigas que se deparam com a história de um monstro chamado Slender Man e, como todo filme de terror com pouca criatividade, decidem invocá-lo por um vídeo na internet sem qualquer motivo. O que era para ser brincadeira, acabou se tonando um pesadelo. As garotas começam a sonhar com a figura de um homem alto, engravatado e sem rosto. Algum tempo depois, uma das garotas desaparece, o que faz com que as outras três busquem o homem sem rosto para enfrentá-lo.

Caso não esteja familiarizado com Slender Man, saiba que a lenda é uma das mais conhecidas na internet e uma das primeiras creep pastas (teorias bizarras) a serem disseminadas nas redes sociais. O resultado disso foi uma enxurrada de jogos, vídeos de fãs e pegadinhas usando a imagem do “gigante” engravatado. Ao anunciarem o lançamento do filme, diversas pessoas – incluindo quem vos escreve – ficaram malucas. Mas acredite, é decepção atrás de decepção ao longo de 1 hora e 30 minutos de filme.

Um dos maiores problemas do longa é a forma genérica que os diretores trataram Slender Man. Um personagem com tantas excentricidades e profundidade, se tornou um “João Bobo” que gosta de assustar as crianças. Aliás, quanto jump scare barato neste longa, hein? O filme não se preocupou em criar um clima para te envolver com a história, mas focou em deixar cenas silenciosas para então aumentar o volume ao máximo e te fazer pular da cadeira, mas sem o mérito do terror, e sim da reação humana natural.

Assista ao trailer: 

Deixe seu comentário