Chaveiros com peixes e tartarugas vivos vendidos na China causam revolta

Ativistas há anos lutam para que essa prática acabe

Por: Redação Metropolitana | 20 maio - 1:32 PM | comentários

Uma prática considerada ‘normal’ na China vem causando revolta em todo o mundo. Filhotes de tartarugas, salamandras e peixes são aprisionados ainda vivos em saquinhos e vendidos como souverniers para dar ‘boa sorte’.

Em 2011 fotos dessa prática tomaram conta da internet e ativistas e defensores dos animais do mundo inteiro começaram a protestar e tentar acabar com isso. Inclusive um projeto de lei de proteção aos animais foi iniciado em 2009 na China, mas não mudou nada.

Os vendedores afirmam que a água contém nutrientes suficientes para que os bichinhos sobrevivam por três meses. Mas o professor Sam Waltonda Universiti Malásia Terengganu, afirmou que isso é uma grande mentira. “Pode até haver oxigênio e alimento suficiente no saco plástico, mas as fezes da digestão animal são tóxicas e isso irá matá-los” explicou em entrevista ao The Star.

Mas a pior parte, segundo Walton, é eles ‘viverem’ dentro de um saco plástico: “O choque térmico e o choque físico de ser balançado o tempo todo provavelmente irão matar o bichinho antes de qualquer outra coisa”. Juntando isso, com a falta de espaço e de ‘higiene’, os animais podem morrer dias ou até horas depois de serem aprisionados.

Enquanto o governo chinês não faz nada para acabar com essa prática de crueldade com os animais, vários grupos de ativistas comprar esses chaveiros para poder libertar as tartarugas, peixes e salamandras.

Deixe seu comentário