Baseado em HQ brasileira, conheça o anti-herói brasileiro “Doutrinador”

A corrupção no Brasil nunca teve um inimigo tão grandioso

Por: Alefy Soares | 30 outubro - 3:00 PM | comentários

Caçando políticos corruptos independentemente do matiz ideológico e usando como impulso a sua tragédia pessoal, o anti-herói brasileiro “O Doutrinador” estreia no dia 1 de novembro e promete mudar a sua visão do cinema brasileiro.

O filme conta a história do protagonista Miguel, interpretado por Kiko Pissolato, que trabalha como agente federal na fictícia metrópole de Santa Cruz. Miguel e seu parceiro Edu (Samuel de Assis), investigam e tentam prender políticos e empresários corruptos, mas tudo muda radicalmente após uma tragédia em sua vida pessoal. A sede de vingança toma conta de seu ser e, assim, o justiceiro encontra ajuda na jovem hacker Nina (Tainá Medina), que tem um olhar crítico e radical sobre o sistema judicial brasileiro, também fruto de uma experiência pessoal.

O Doutrinador nasce e começa a sua vingança da elite política brasileira em pleno período de eleições presidenciais, numa cruzada sem volta contra a corrupção.

  • 1/3 Foto: Reprodução
  • 2/3 Foto: Reprodução
  • 3/3 Foto: Reprodução

Confira o trailer completo: 

Veja a sinopse oficial do longa:

““O Doutrinador” é um anti-herói no melhor estilo dos vigilantes dos quadrinhos. O Doutrinador é Miguel, um agente federal altamente treinado que vive num Brasil cujo governo foi sequestrado por uma quadrilha de políticos e empresários. Uma tragédia pessoal o leva a eleger a corrupção endêmica brasileira como sua maior inimiga. E ele começa a se vingar da elite política brasileira em pleno período de eleições presidenciais, numa cruzada sem volta contra a corrupção.”

O longa chamou a atenção principalmente por conta da violência e o diretor Gustavo Bonafé comentou mais sobre a expectativa da recepção do público: “Acho que, na medida em que as pessoas entenderem que estamos falando de um anti-herói fictício, que está lá para realizar um desejo obscuro dos brasileiros, vão reagir bem. Acho que esse personagem não foi criado à toa ou gratuitamente. Foi por causa de uma desilusão com a política e uma certa raiva por parte da população”, comentou.

“Nossos governantes, infelizmente, fizeram a gente chegar nesse lugar. Mas tem que ser visto como uma metáfora. Estamos exorcizando e matando a corrupção de uma maneira, obviamente, não usual. O certo seria a gente eleger pessoas não corruptas. O Doutrinador vem porque existe esse desejo. Quem nunca ouviu a frase “tinha que matar todos esses caras”? Quantas pessoas já não sofreram com medidas equivocadas do governo, como a falta de saúde e educação? Cabe muito ao público entender que estamos em um mundo fictício, onde tudo é possível. Estamos realizando um desejo, de fato, um pouco obscuro, mas é um desejo que a população pode ter. Acho que as pessoas têm que se divertir com isso, não levar ao pé da letra, é ficção. O filme parecer com os quadrinhos é justamente para isso, para que o filme não seja uma bandeira. Porque a única maneira que a gente tem na nossa vida real para solucionar isso é votar.”, concluiu.

Kiko Pissolato, ator que encarna o Doutrinador, contou  que a sua preparação para se tornar o anti-herói brasileiro contou com a ajuda outros anti-heróis, como o “Justiceiro” e “John Wick”: “Passei esses últimos quinze anos estudando, me aprimorando, e acredito que encontrei ao longo desse tempo, e vou encontrando nos próximos trabalhos também, mais uma maneira de trabalhar. E isso a gente vai levando para todos os personagens. A alimentação para o artista tem que ser diária e, obviamente, quando você tem o personagem, você vai procurar comer mais daquilo que o corpo dele precisa. Voltei a ver os filmes de ação que eu tinha de referência, como “John Wick”. O próprio “Justiceiro” da Marvel.”, revelou.

O filme de “O Doutrinador” está previsto para setembro de 2018. A série está com a estreia marcada para 2019 no canal Space.

Deixe seu comentário