Weintraub pode perder cargo no Banco Mundial; funcionários pedem investigação

Funcionários se queixam de que o ex-ministro da Educação pratica o compartilhamento de desinformação sobre a pandemia

Por: Bianca Antunes | 10 março - 16:15

A Associação de Funcionários do Banco Mundial pediu novas investigações sobre Abraham Weintraub, ex-ministro de Educação e um dos diretores-executivos da instituição. Os funcionários reclamam que Weintraub espalha desinformação durante a pandemia e fez campanha política para um cargo eletivo no Brasil.

De acordo com informações do jornal Folha de S.Paulo, que teve acesso ao documento, os funcionários afirmaram que o comportamento do ex-ministro é “inaceitável“.

Foto: Divulgação/Agência Brasil

LEIA MAIS NOTÍCIAS

Lula desconversa sobre candidatura: “A minha cabeça não está pensando em discutir 2022”

Doria anuncia novas medidas para combate ao covid-19

“Dado o papel crítico do Banco Mundial na luta contra a Covid-19 no mundo, achamos inaceitável que um membro do conselho administrativo (muito mais do que qualquer outro membro da equipe) publique nas mídias sociais informações patentemente falsas, aparentemente com o objetivo de politizar a pandemia ou contribuir para teorias da conspiração”, diz o documento.

Como um dos exemplos, a associação cita publicações do ex-ministro em que ele desacredita vacinas de covid-19 e defende medicamentos ineficazes contra a doença, como o uso da hidroxicloroquina em tratamentos precoces. Na carta, é declarado que essas questões já foram desacreditadas pela comunidade científica e violam o código de conduta e dos valores fundamentais da instituição.

No meio do ano passado, a associação pediu para que a então nomeação de Weintraub fosse suspensa para apuração de discursos preconceituosos em relação à China.

*INFORMAÇÕES DA FOLHA DE SÃO PAULO

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você