Senador denunciado junto com Salles de haver ocultado uma extração de madeira ilegal no AM, chama delegado de ‘xiita’ e ‘covarde’

A acusação foi redigida pelo então superintendente da PF (Polícia Federal) no Amazonas, Alexandre Saraiva, que foi demitido do cargo na tarde desta quinta-feira (15).

Por: Larissa Placca | 16 abril - 19:54

Juntamente com o Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o senador Telmário Mota (Pros-RR) foi denunciado pelo delegado federal Alexandre Saraiva ao STF na quarta-feira (14).

De acordo com o documento, o parlamentar estaria intervindo no Ibama, encobrindo 200 mil metros cúbicos de madeira extraídas ilegalmente, no valor de R$ 130 milhões, foram apreendidos pela Polícia Federal no Amazonas.

O senador Telmário Mota (Pros-RR) em sessão da Casa

O senador Telmário Mota (Pros-RR) em sessão da Casa; Foto: Agência Brasil/Divulgação

Nesta quinta-feira (15), Telmário se pronunciou contra a denuncia por meio de nota. “O Delegado xiita, Alexandre Saraiva, mais uma vez busca os holofotes com uma notícia-crime patética, sem fundamento e elaborada apenas para ganhar espaço na mídia e nas redes sociais”, afirmou.

“A verdade é que, o delegado é um covarde que pratica autoritarismo e não tem coragem de debater com o Ministério do Meio Ambiente e da Justiça, um protocolo para regulamentar o setor madeireiro”, disse.

Chamado de Xiita:

É a pessoa que segue uma ramificação do islamismo, mas só aceita os ensinamentos de Maomé, divulgados pelo seu genro Ali por acreditar que ele é seu legítimo sucessor.

Ao ser usado como adjetivo, pode ter sentido de uma pessoa que é radical em relação a politica ou religião.

A acusação do delegado contra senador e ministro:

A acusação foi redigida pelo então superintendente da PF (Polícia Federal) no Amazonas, Alexandre Saraiva, que foi demitido do cargo na tarde desta quinta-feira (15).

Segundo o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, decisão sobre a troca ocorreu ainda ontem, no mesmo dia do envio da notícia-crime contra Salles.

Saraiva criticou dizendo que era a primeira vez que um ministro do Meio Ambiente se manifesta de maneira contrária a uma ação que visa proteger a floresta amazônica.

O STF deve julgar se abre uma investigação criminal contra o ministro do Meio Ambiente. Salles tem foro privilegiado e só pode responder por crimes de natureza penal perante o Supremo.

Segundo Saraiva, além de Telmário e Salles está envolvido, também, o presidente do Ibama, Eduardo Bim.

LEIA MAIS NOTÍCIAS

Moraes pede tempo para analisar decretos das armas e suspende julgamento no STF

Bruno Covas tem ‘novos pontos’ de câncer no fígados e nos ossos, segundo boletim médico

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você