Sem participação de Ernesto Araújo, Aécio e Kátia Abreu pedem ajuda à OMS para adquirir vacinas

O ministro das Relações Exteriores vêm sofrendo pressão pelo Congresso devido seu posicionamento com a China e EUA durante as negociações por insumos e vacinas

Por: Larissa Placca | 26 março - 21:31

O deputado Aécio Neves (PSDB-MG) e a senadora Kátia Abreu (PP-TO), presidentes das comissões de Relações Exteriores da Câmara e do Senado, enviaram uma carta para a Organização Mundial de Saúde (OMS).

No documento, eles pedem ajuda internacional para o Brasil adquirir vacinas contra covid-19. A carta não foi assinada junto ao ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, que vêm sofrendo pressão pelo Congresso. 

O deputado Aécio Neves (PSDB-MG) em sessão da Câmara

O deputado Aécio Neves (PSDB-MG) em sessão da Câmara; Foto: Agência Brasil/Divulgação

“A situação que enfrentamos é dramática. Dados da própria OMS atestam que o Brasil se tornou o epicentro mundial da pandemia, com mais de 12 milhões de casos confirmados e 300 mil óbitos. Assistimos, consternados, a uma preocupante aceleração da curva de contágios: na última terça-feira, chegamos a 82.493 novos casos e 3.251 óbitos. Em um único dia, tivemos mais vidas perdidas do que as vítimas do ataque terrorista às torres gêmeas do World Trade Center, em 11/09/2001”, diz carta.

O texto pede mais doses das vacinas obtidas por meio do consórcio global Covax Facility, liderado pela OMS, e que já destinou ao Brasil uma leva de imunizantes no último fim de semana. “São quantidades insuficientes (1.022.400) para reverter o quadro de crise aguda que vivemos e evitar os riscos a toda a comunidade internacional”.

Depois do alerta dado pelo Congresso, Planalto vai atrás de nomes para substituir Ernesto Araújo

Frente de prefeitos cobra governo federal pela substituição de Ernesto Araújo

“À luz do exposto, encareço o especial empenho de Vossa Excelência no sentido de que se examine, no âmbito da Covax Facility, a possibilidade de ajuste no cronograma de entrega de vacinas do consórcio ao Brasil. Outra alternativa para a qual me permito chamar a atenção da OMS seria o possível adiantamento ao Brasil de doses extras de vacina do consórcio. O mesmo número de doses seria, em momento subsequente, reposto por nosso País no estoque global da Covax Facility, a partir da própria produção brasileira de vacinas, com base em cronograma mutuamente acordado”, pedem.

Críticas à Ernesto Araújo

O Congresso Nacional pressiona o Palácio do Planalto pela substituição do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, como prioridade para que o Brasil consiga restabelecer boas relações com a China e EUA durante as negociações por insumos e vacinas.

Araújo recebeu críticas às ações dele frente à pandemia e em relação à aquisição de vacinas, além de pedidos para que deixasse o cargo. Para isso, o ministro respondeu que dorme “com a consciência tranquila”.

Segundo a FNP (Frente Nacional de Prefeitos), as ações do ministro foram repletas de erros “trapalhadas e atitudes destrutivas”. Para a entidade, será necessária a adoção de medidas complexas para reverter o dano feito por Araújo.

O ministro ainda é apoiado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro e o assessor da Presidência da República, Filipe Martins.

LEIA MAIS NOTÍCIAS

Bolsonaro diz que se for reinfectado com covid-19 vai tomar cloroquina

Reino Unido e União Europeia fecham acordo de cooperação em serviços financeiros

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:


Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você