Posse de novos ministros deve ocorrer na próxima semana no Palácio do Planalto, segundo fontes

Entenda a reforma ministerial do presidente e veja quais foram as pastas envolvidas:

Por: Larissa Placca | 02 abril - 13:16

A posse da equipe ministerial, para oficializar as mudanças feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nesta semana, deve ocorrer em um evento na próxima terça-feira (6). Seis ministros foram nomeados. Leia a matéria completa. 

A cerimônia será durante a manhã no Palácio do Planalto, segundo fontes informaram ao Broadcast Político (do Grupo Estado).

Foto: Bolsonaro apresenta novos comandantes das Forças Armadas, indicado pelo novo Ministro da Defesa, Walter Braga Netto. Leia a matéria completa sobre as trocas.

Os ministros da Advocacia-Geral da União, André Mendonça, e da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, já assinaram os seus termos de posse na terça-feira (30), por tanto, para eles será um evento simbólico.

As mudanças nos ministérios começaram com o pedido de demissão do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Ernesto vinha sofrendo críticas e pressão pelo Congresso e outras autoridades políticas devido seu posicionamento durante a pandemia que, segundo eles, teria dificultado a aquisição de vacinas pelo Brasil.

Advogados públicos federais reagem às mudanças de Bolsonaro: “Cargo da AGU não exerce uma função política”

O embaixador Carlos França foi escolhido para ocupar o cargo de Ernesto, ele já foi cerimonialista do Planalto e ocupava a chefia da assessoria especial da Presidência.

A relação do presidente com as Forças Armadas sofreu com uma divergência de ideias entre o comandante do Exército e Bolsonaro.

O general Edson Pujol, se desligou do cargo após desentendimentos com o Bolsonaro que esperava dele uma atuação mais política no caso dos Governadores decretarem medidas restritivas frente à Pandemia, para o presidente, os militares deveriam se posicionar contra a restrição, ao lado do Governo. Pujol se posicionou dizendo que o Exército não era político.

Pacheco diz que “reformas ministeriais são comuns” e “enxerga com naturalidade” troca no comando das Forças Armadas

Incomodado com a falta de apoio das Forças Armadas aos seus posicionamentos, Bolsonaro nomeou o general Walter Braga Netto para o cargo de Ministro da Defesa. Braga Netto, no dia seguinte à sua nomeação, definiu outros três chefes das Forças Armadas (Exército, Aeronáutica e Marinha).

Bolsonaro estará observando o novo comandante do Exército e estaria disposto à nova troca, segundo interlocutores do presidente

Veja como ficaram os ministérios depois das mudanças feitas por Bolsonaro:

  • Relações Exteriores: Carlos Alberto Franco França;
  • Defesa: Walter Braga Netto;
  • Casa Civil: Luiz Eduardo Ramos;
  • Secretaria de Governo: Flávia Arruda;
  • Advocacia-Geral da União: André Mendonça;
  • Justiça e Segurança Pública: Anderson Torres.

LEIA MAIS NOTÍCIAS

Para Bolsonaro, os líderes devem ser os últimos a se vacinarem e devem priorizar a sua população

Sobre as trocas nas Forças Armadas, Senadora suspeita “A pergunta que não quer calar é: o que foi pedido?”

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:


Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você