Ministro do STF, Marco Aurélio critica Bolsonaro e Kassio Nunes “Melhor vacina é isolamento”

Ministro afirmou que ficou surpreso com as decisões do Supremo Tribunal Federal

Por: Marina Ponchio Gomes Ferreira | 05 abril - 17:38

Em entrevista à CNN, na tarde desta segunda-feira (5) o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e voltou a criticar o ministro Kassio Nunes Marques,  Marco Aurélio afirmou que ficou surpreso com o ato do mais novo ministro da Corte, fazendo referência a decisão de Kassio em liberar cerimônias religiosas no país

Segundo ele “Em uma penada única, com uma pressa que eu não entendi, ele implementou essa medida cauteladora. Por que não liberar então outros setores? Nós temos que perceber a gravidade da pandemia. A melhor vacina hoje é o isolamento. Precisamos nos resguardar e ter cautela.” 

Entenda por que cultos religiosos podem oferecer alto risco para Covid-19

Ministro Marco Aurélio Mello

Foto: prodbdf

O ministro também criticou o comando de Jair Bolsonaro no combate a pandemia de covid-19, que já matou mais de 300 mil pessoas no país “O supremo não governa o país, não é executivo. É preciso que o presidente coordene os trabalhos dos estados e municípios visando o melhor para a população. Bolsonaro diminui a importância da crise e isso abre espaço para o cidadão comum proceder da forma como está agindo.” 

Durante a entrevista, o ministro se disse surpreso com as últimas decisões do Supremo e criticou a votação pela parcialidade de Sérgio Moro – que firmou-se três votos a dois – pelo julgamento que condenou o ex-presidente Lula (PT) envolvendo um triplex no Guarujá “Eu já disse várias vezes que tenho saudade da velha guarda do Supremo que encontrei nos anos 90, que marchava segundo a Constituição. Hoje eu sou surpreendido quando a Segunda Turma transformou um herói no combate nacional contra a corrupção em quase bandido. Para mim, o Juiz Sérgio Moro foi um grande juiz.”

LEIA MAIS

Ministro do STF, Marco Aurélio Mello, marca aposentadoria para 5 de julho

Gilmar Mendes mantém proibição de missas e cultos em São Paulo

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: