Ministro da Defesa anuncia que sairá do cargo

Fernando Azevedo confirmou a decisão em nota, mas não informou o motivo

Por: Maria de Toledo Leite | 29 março - 16:17

Nesta segunda-feira (29), Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa, informou por meio de uma nota oficial que deixará o cargo no ministério. O general foi escolhido por Bolsonaro em 2018, ainda na transição de governo.

A nota não explicou o motivo da decisão, que não havia sido comentada ou sugerida pelo ministro ou pelo presidente até então. Além disso, ainda não foi sugerido nenhum nome para substituí-lo.

Ex-ministro da Defesa apertando a mão do presidente Bolsonaro, que dá risada

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Azevedo ficou dois anos e três meses na cadeira de ministro da Defesa. Antes disso, ele foi chefe do Estado-Maior do Exército, um dos cargos mais importantes da Força e em 2018, quando foi anunciado ministro, ele era o assessor do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) da época, Dias Toffoli.

Seu período no poder foi marcado por visitas do presidente Jair Bolsonaro à sede do ministério e uma priorização de gastos na área. Além disso, sua gestão também trouxe comentários do presidente em relação à estrutura institucional.

Governo pede direito de celebrar o Golpe de 1964

Porém, o ministro sempre manteve uma postura discreta, sem que sua opinião transparecesse. Azevedo e Silva foi o segundo militar a estar à frente do Ministério da Defesa desde sua criação, sendo que o primeiro foi Joaquim Silva Luna, durante o governo de Michel Temer.

Azevedo e Silva, antes de anunciar sua saída, completava os oito militares em comando dos ministérios no governo de Bolsonaro. No total, são 22 ministros.

LEIA MAIS NOTÍCIAS:

Pelo menos 200 pessoas já foram intimadas por críticas ao governo

Governo ganha na Justiça direito de celebrar o golpe de 1964

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: