Em entrevista à CNN, Bolsonaro faz críticas ao indicador de desemprego do IBGE

De acordo com o presidente, a metodologia usada na pesquisa é "errada, e pode mudar" diante cenário atual

Por: Leonardo Fernandes | 09 abril - 09:49

Em entrevista à CNN na última quinta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez críticas ao indicador de desemprego realizado pelo IBGE, chamado de Pnad Contínua. Para Bolsonaro, a metodologia usada na pesquisa é errada, e poderia mudar para se adequar ao cenário mensal de criação de empregos no Brasil atualmente.

O Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) trabalha na criação de indicadores trimestrais de flutuações da força de trabalho, e acompanha outras informações para o estudo do desenvolvimento socioeconômico do Brasil. Segundo o presidente, houve um aumento na empregabilidade brasileira, e trabalhadores informais que perderam o emprego durante a pandemia passaram a procurar a formalidade.

Leia mais: IBGE suspende provas de concurso para o Censo 2021 devido corte de verba

Bolsonaro diz que pandemia é para tentar derrubar presidente

Segundo Bolsonaro em entrevista à CNN, senso do IBGE utiliza de metodologia ultrapassada. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Nas palavras de Bolsonaro, o IBGE está categorizando estas pessoas como “desempregadas”, no uso da metodologia atual; e para o chefe do Executivo, o desemprego cresce em decorrência do método usado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. “Vendiam churrasco de gato, água mineral no sinal, biscoito na praia, sorvete na arquibancada de futebol. Não tem mais como pegar latinha por aí, procuraram emprego”, disse.

A taxa de desemprego registrada no trimestre encerrado em janeiro foi de 14,2%, que de acordo com o IBGE, é o maior número de desempregados desde o começo da pesquisa, em 2012. É o pior resultado para período, com 14,3 milhões de pessoas procurando por vagas nesta época.

Ainda, é dito pelo Instituto que o período contabilizado teve cerca de 200 mil pessoas a mais que no trimestre anterior, encerrado em outubro, e 2,4 milhões a mais que no mesmo trimestre do início da pandemia de covid-19.

“É uma coisa que não mede a realidade, parece que são índices feitos para enganar a população”, falou Bolsonaro. Em abril de 2019, o presidente já havia feito críticas ao Pnad em entrevista para a TV Record. Na época, disse que a taxa de desemprego levava em consideração apenas quem estava procurando emprego; e que quem não estava em busca de vagas, não contava como desempregado.

A metodologia do Pnad segue diretrizes de organismo internacionais. A pesquisa garante que analistas possam comparar comportamentos do mercado de trabalho no Brasil com outras nações, e ajuda para que o país possa ter estatísticas constando em relatórios de fora.

Leia mais notícias:

Produção industrial cai em 10 dos 15 locais pesquisados em fevereiro, segundo o IBGE

Desemprego atinge recorde de 14,3 milhões de pessoas

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você