Deputada pede inclusão de funcionários da Caixa nos grupos prioritários de vacina; Veja quais grupos entraram na lista:

Essa inclusão seria um dos destaques que estão em discussão na Câmara para entrar no texto-final do projeto

Por: Larissa Placca | 07 abril - 17:51

Nesta quarta-feira (7), a deputada Celina Leão (PP-DF), relatora do projeto de lei 1.011/2020, que propõe ampliar a lista de grupos prioritários de vacinação contra covid-19 (com 16 novas categorias), pediu que a inclusão de funcionários da Caixa Econômica Federal e de trabalhadores domésticas sejam aprovados pela Casa.

Essa inclusão seria um dos destaques que estão em discussão na Câmara para entrar no texto-final do projeto. O texto-base foi aprovado na semana passada e incluiu categorias como oficiais de justiça, coveiros, taxistas, entre outros.

fila para vacina contra covid, quem é prioridade?

Foto: Agência Brasil/Divulgação

Os destaques dessa inclusão de funcionários da Caixa e de trabalhadores e trabalhadoras domésticas nos grupos prioritários foram pedidas pelos partidos, PCdoB e PT respectivamente.

Celina foi questionada sobre como avalia a inclusão dessas categorias, já que não estavam no texto original. “Ainda precisamos nos questionar mais e discutir entre nós se essa ampliação realmente é prioritária. Avalio que os destaques todos terão que entrar no PL, mas ainda não tenho conhecimento do acordo que líderes partidários vão fazer para isso. Hoje a tarde devemos conversar mais sobre esses destaques e ver quais são as principais prioridades”, disse Celina Leão.

A deputada defendeu a importância de vacinar os funcionários da Caixa, pois o banco realiza o pagamento das parcelas do auxílio emergencial a cerca de 45,6 milhões de brasileiros.

“Os funcionários da Caixa são quem pagam todo o auxílio, então eles sempre estarão muito expostos. Uma cidade pode estar em lockdown, mas a Caixa vai continuar funcionando”, disse.

As categorias que foram incluídas, na aprovação da semana passada, não correm risco de serem retiradas do texto.

O projeto de lei não estabelece uma ordem prioritária dentro dos grupos incluídos como prioritários e, segundo a deputada, essa função será do Ministério da Saúde.

“É o ministério que definirá a ordem prioritária, não o Congresso. Existem grupos que foram aprovados pelo próprio PNI, e a gente também incluiu eles dentro do PL”, disse.

Sugerido pelo PT, um outro destaque em debate inclui todos os motoristas de aplicativo, já que o texto abrange taxistas e mototaxistas.

Segundo a relatora, é preciso ter certeza de que os novos motoristas, “que poderiam se cadastrar apenas para se vacinar”.

Inicialmente, o projeto de lei descrevia apenas a priorização de caminhoneiros e trabalhadores do transporte de carga e mercadorias. Porém, parlamentares propuseram alterações e novos grupos entraram na lista.

Confira as categorias prioritárias adicionadas:

  • Agentes de segurança pública e privada;
  • Trabalhadores do transporte rodoviário de passageiros;
  • Pessoas em atividades externa que já tiveram embolia pulmonar;
  • Trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social, bem como conselheiros tutelares que prestam atendimento ao público;
  • Trabalhadores da educação do Ensino Básico;
  • Coveiros, atendentes e agentes funerários;
  • Taxistas e mototaxistas;
  • Profissionais de farmácias;
  • Metroviários;
  • Trabalhadores do transporte aquaviário;
  • Profissionais da limpeza pública;
  • Oficiais de Justiça.

LEIA MAIS NOTÍCIAS

Bolsonaro dá posse a seis novos ministros, em cerimônia fechada

Eduardo Bolsonaro volta a criticar medidas restritivas e defende a abertura de igrejas

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:


Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você