CPI vai investigar demora no contrato do Instituto Butantan com Ministério da Saúde

A Comissão irá investigar se o Planalto realizou alguma interferência

Por: Marina Ponchio Gomes Ferreira | 20 abril - 15:16

Um dos casos a ser investigado pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) Covid-19 no Senado é a demora na assinatura do contrato entre o Instituto Butantan e o Ministério da Saúde para a compra dos primeiros 46 milhões de doses da Coronavac. A investigação irá focar em possíveis interferências do Planalto em postergar o negócio. 

Em outubro de 2020, o até então ministro da saúde, Eduardo Pazuello anunciou que havia firmado um protocolo de intenções para uma possível compra de 46 milhões de doses do imunizante Coronavac. Um dia depois, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) informou que o governo não compraria a “vacina chinesa de João Doria”. 

CPI da Covid: Mandetta deve ser o primeiro convocado para a investigação

200 doses de CoronaVac são furtadas em São João de Meriti, no Rio de Janeiro

Foto: Tchélo Figueiredo/Governo de Mato Grosso

O contrato foi oficialmente assinado em sete de fevereiro deste ano, um dia após o governo editar uma medida provisória autorizando a compra de vacinas antes que elas fossem registradas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). 

A assinatura aconteceu ainda no mesmo dia que o Instituto Butantan anunciou que a vacina Coronavac tem eficácia de 78% contra a covid-19 em testes realizados no Brasil. Na época, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), já havia marcado a data de 25 de janeiro para o início da imunização.

LEIA MAIS

Doria anuncia a compra de 30 milhões de doses da vacina CoronaVac

CPI da Covid: investigação prevê quebras de sigilo, acareações e audiências com auxiliares de Bolsonaro

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:


Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você