Estados unidos suspende comércio com Mianmar após mais mortes violentas em protestos

Várias represálias violentas estão acontecendo desde o golpe militar em fevereiro. A medida entra em vigor imediatamente

Por: Marina Ponchio Gomes Ferreira | 29 março - 17:14

Nesta segunda-feira (29) o governo de Joe Biden anunciou a suspensão comercial com Mianmar após acontecer no país mais um final de semana de violência e mortes contra manifestantes pró-democráticos. Essa situação tem se tornado frequente desde que os militares tomaram o poder em um golpe no início de fevereiro.  

Em nota, a representante do Comércio dos Estados Unidos, Katherine Tai, afirmou que a suspensão vai permanecer em vigor até o retorno do governo eleito democraticamente. 

pessoas protestando

Foto: Reprodução/ Twitter

No sábado (27) mais de 100 civis, incluindo crianças, foram mortos por oficiais do exército em protesto contra o golpe militar. A ação gerou condenação internacional.

Enquanto embarcava em viagem de Delaware até Washington, o presidente norte-americano se manifestou “Baseado nos relatórios que recebi, uma quantidade enorme de pessoas foram assassinadas sem nenhuma necessidade”, Biden caracterizou ainda a violência como “terrível”. 

Após Golpe militar, Jornalista da BBC desaparece em Myanmar

Quando questionado sobre qual seria a resposta dos Estados Unidos para os horrores registrados, o presidente afirmou “já estamos trabalhando nisso”. 

Katherine Tai disse ainda que : “Os Estados Unidos condenam fortemente as forças de segurança birmanesas pela violência exercida contra os civis. O assassinato de manifestantes pacíficos, estudantes, trabalhadores, líderes sindicais, médicos e crianças chocou os escrúpulos da comunidade internacional. Essas ações são um golpe direto na transição do país para a democracia e nos esforços do povo birmanês para atingir um futuro próspero e pacifico”. 

O golpe militar

Os militares tomaram o poder alegando que as eleições que ocorreram em 8 de novembro, vencida por Aung San Suu Kyi (Liga Nacional Pela Democracia) foram fraudadas. Após o comitê eleitoral do país ignorar a denúncia, o exército tomou o poder. 

O golpe é um retorno ao regime militar, que sufocou o país por décadas até uma pequena brecha democrática acontecer em 2010. Os cidadãos do país estão tomando as ruas para defender seu sistema eleitoral com greves e manifestações pacíficas, os militares respondem com violência. O acesso a internet no país foi restrito e jornalistas foram presos e alguns jornais foram proibidos de publicar sobre o golpe. 

A União Europeia também se manifestou no dia 22 de março, e aplicou sanções para os militares envolvidos no golpe. O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, afirmou que a repressão no país fere a democracia e atingiu um grau intolerável.

LEIA MAIS

Mais de 400 pessoas são condenadas por protestos em Belarus

Tropas de Mianmar abrem fogo em funeral, após pior dia de repressão

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: