China e Irã fecham acordo comercial de 25 anos

Os países concluíram negociações que aconteciam desde 2016; nações acertam colaborações mútuas

Por: Leonardo Fernandes | 28 março - 07:52

A China e o Irã selaram um acordo comercial e de infraestrutura no último sábado (27). O chamado “pacto de cooperação estratégica de 25 anos”, como foi reportado pela televisão iraniana, é um projeto que estava em andamento desde 2016; e que agora, os países enfim conseguiram estabelecer negociações que podem beneficiar ambas as nações. O pacto comercial engloba um investimento de US$400 bilhões de dólares no Irã.

No sábado, a aliança foi estabelecida numa reunião entre o ministro de Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, e o ministro da pasta chinesa, Wang Yi, em Teerã. Ali Larijani, conselheiro do líder supremo iraniano Ali Khamenei, também esteve presente no encontro.


Maiores detalhes do acordo não foram revelados, mas de acordo com o divulgado na época do início da negociação, o pacto seria para “estabelecer cooperação ampliada em 25 anos, para investimentos recíprocos em áreas como transporte, energia, indústria, serviços e portos”.

A assinatura do acordo é uma forma do Irã demonstrar apoio a China e mostrar que está aberto para maiores relações com o Leste, considerando países como Índia, Japão, as duas Coreias, Rússia, e o próprio governo chinês. Além disso, a China é a maior parceira comercial do Irã hoje.

A aliança entre os países cresce ao mesmo tempo em que o governo iraniano nutre certa desconfiança sobre o ocidente. Nesse sentido, os Estado Unidos não fazem mais parte do acordo nuclear com o Irã desde 2018 — em que os iranianos diminuíram suas atividades nucleares, em troca de maior alívio nas sanções internacionais; e as nações europeias não ajudaram o país a evitar tais sanções impostas pelos norte-americanos.

Dessa forma, o Irã afirma que a capital Pequim é “o maior sócio de Teerã no comércio há mais de 10 anos”, de acordo com artigo publicado pelo embaixador iraniano na China, Mohamad Keshavarzadeh. Os Estados Unidos querem que o Irã volte a cumprir os termos do acordo nuclear, para então retomar as negociações sobre as sanções, e o Irã quer que os EUA retire-as primeiro. A China, no caso, apoia a posição iraniana.

Leia mais notícias:

Mudanças climáticas: Biden convida Bolsonaro e outros líderes de Estado para reunião

Elon Musk garante à China que carros da Tesla não são “espiões”

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você