Berlim organiza testes de covid-19 antes das orações do Ramadã

O teste para detectar a Covid é oferecido pela prefeitura de Berlim, com o auxílio de uma equipe médica, formada por líbios, sírios e armênios

Por: Sophia Bernardes | 26 abril - 12:59

Neste mês de jejum do Ramadã, as autoridades locais realizam um trabalho de prevenção e informação aos muçulmanos que vivem em Berlim e, de forma mais geral, para os imigrantes, especialmente expostos ao vírus.

O teste para detectar a Covid oferecido pela prefeitura de Berlim é realizado em frente ao prédio de tijolos vermelhos que abriga a “Casa da Sabedoria”.

Foto: Agência Brasil

Em um estacionamento em frente a mesquita, uma equipe médica, formada por líbios, sírios e armênios testa os fiéis que se aproximam com seu tapete de oração em mãos.

Conheça a tradição muçulmana do Ramadã

O imã Abdallah Hajjir, se submeteu ao teste de Covid por meio de swab nasal do lado de fora de uma mesquita em Berlim. E comemora, antes de entrar no recinto para as orações de sexta-feira, “Negativo”.

Para Abdallah, o ato de oferecer os testes é uma forma “de contribuir” para a luta contra a pandemia e proteger a sociedade. “Ao proteger os membros da nossa comunidade, protegemos todos aqueles que estão em contato com eles, portanto a sociedade”, afirma.

Cerca de 35% da população que vive em Berlin é estrangeira, o maior número de infecções foi registrado nos bairros com maior proporção de imigrantes. Esses bairros tendem a ter um alto índice de desemprego e uma alta densidade populacional. Grande parte dos imigrantes vivem em pequenos apartamentos ou em abrigos para migrantes com até 5 pessoas em um quarto.

Em outubro de 2020, foi alertado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que os trabalhadores imigrantes de países desenvolvidos estariam na linha de frente da crise de saúde, decorrente a Covid-19. A organização que reúne em torno de 40 países estimou que o risco de infecção era “pelo menos duas vezes maior” do que o do restante da população.

Em Berlim, com a campanha de vacinação, as autoridades tentam superar “a grande relutância” de alguns imigrantes contra a vacina, de acordo com a responsável pelas questões de integração da prefeitura, Katarina Niewiedzial. “Informações falsas circulam” sobre a vacinação devido à ignorância “que varia de ‘eu ficarei estéril’ a ‘eu terei um microchip implantado'”, afirmou. Completa que, o imã deve utilizar sua autoridade para dar confiança aos fiéis.

Além disso, Berlin lançou podcasts informativos em dez idiomas diferentes para alertar a população sobre importância de tomar o imunizante.

*Informações da UOL

LEIA MAIS NOTÍCIAS

Israel investiga se vacina da Pfizer estaria ligada à casos de inflamação no coração

Covid: mundo registra 899,7 mil casos da doença em 24h e bate novo recorde

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você