MPRJ procura viúva de Adriano da Nóbrega em ação contra movimentação de recursos ilícitos do miliciano

Soldado da PM, Rodrigo Bitencourt, já foi preso

Por: Marina Correa de Genaro | 22 março - 13:22

Foi iniciada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) nesta segunda-feira (22), a Operação Gárgula, contra acusados de lavar dinheiro e movimentar recursos ilícitos do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega.

A viúva do paramilitar, morto em fevereiro de 2020, Júlia Emilia Mello Lotufo era alvo de um dos três mandados de prisão expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada da Capital e é considerada foragida. O soldado da PM, Rodrigo Bitencourt Fernandes Pereira do Rego, foi preso. Segundo o MP, o soldado era um dos laranjas de Adriano.

Adriano da Nóbrega e a esposa Júlia Lotufo

Foto: Reprodução

Outro alvo seria o sargento Luiz Carlos Felipe Martins, mas ele foi morto em um tiroteio no último sábado (20), em circunstâncias não esclarecidas até o momento.

Também foi determinado pela Justiça, a apreensão de R$ 8,4 milhões em bens, como um haras em Guapimirim.

Milícia

Segundo denúncia do MPRJ, sob comando de Adriano, os nove denunciados praticaram crimes de agiotagem e lavagem de dinheiro em favor do miliciano. O MP afirma que Adriano chefiava a milícia de Rio das Pedras e integrava o consórcio de matadores de aluguel.

MPRJ também afirma que Júlia Lotufo, viúva de Adriano, era responsável pela contabilidade e pela gestão financeira dos lucros das atividades criminosas, e também controlava os valores destinados para empréstimos.

LEIA MAIS:

Manifestantes são presos após estender faixa contra Bolsonaro

Museus do Rio de Janeiro suspendem visitas por três semanas

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:


Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você