Mais de 1,4 milhão estiveram no regime EAD em 2020, diz estudo

Pesquisa buscou entender os impactos da pandemia no processo do ensino online

Por: Bianca Antunes | 25 março - 17:29

A pesquisa da Abed (Associação Brasileira de Educação a Distância) busca entender os impactos da pandemia no processo do ensino online e aposta que o número de estudantes que escolham essa modalidade no futuro cresça ainda mais.

“Acreditamos que esse é um caminho sem volta, até os cursos presenciais devem incorporar elementos da EAD”, disse Luciano Sathler, membro do Comitê de Educação Básica da Abed.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

“Houve uma redução no número de matrículas presenciais e um aumento significativo na inadimplência, sinais de que estão sentindo o revés econômico, as pessoas perderam renda neste período e estão assustadas com o futuro”, disse Sathler.

No ensino superior, a expectativa é que continue crescendo o número de calouros em cursos superiores à distância. Foram mais de 1,4 milhão de alunos no EAD, 52% do total. A tendência que em 2023 a maioria dos universitários opte pelo ensino remoto.

“No presencial houve uma diminuição do número de matrículas, mas isso não ocorreu na EAD, ao contrário, a tendência é que aumente o número de pessoas interessadas até porque com a pandemia diminuiu a resistência à modalidade tanto por parte de alunos como professores”, afirmou o membro.