Justiça concede liberdade provisória para mulher acusada de vacinar empresários em BH

A falsa enfermeira, Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas, está sendo investigada por ter vacinado 57 pessoas com vacinas supostamente falsas

Por: Aline Bueno Silvestre | 03 abril - 23:55

O Tribunal Regional Federal (TRF-1) concedeu liberdade provisória neste sábado (03) à falsa enfermeira, Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas, em Belo Horizonte.

Ela é acusada de vacinar 57 pessoas, entre eles empresários de BH, em uma garagem de ônibus da Família Lessa. Robson Lessa e Rômulo Lessa admitiram a organização da vacinação na garagem. CAS

Justiça concede liberdade provisória para falsa enfermeira de BH

Foto: Reprodução/Pixabay

Além disso, encontraram vacinas contra gripe e ampolas de cloreto de sódio na casa da enfermeira em mandado de busca. Leia o caso.

Na terça-feira (30), porém, ela foi detida por falsificação e adulteração de produtos para fins medicinais ou terapêuticos, podendo pegar até 15 anos de prisão.

Neste sábado (03), a desembargadora Ângela Catão determinou que Cláudia fosse solta após a defesa entrar com habeas corpus. Ela saiu da penitenciária por volta das 16h30.

LEIA MAIS:

Avião com 477 mil doses de vacinas contra a Covid-19 desembarca em BH

Brasil ultrapassa 330 mil mortos por Covid-19 e média móvel fica em 2,8 mil

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você