Batalhão é acusado de ‘furar fila’ da vacina contra a covid-19 para familiares dos policiais

O Comando de Policiamento do Interior - 8 instaurou sindicância para apurar a situação

Por: Bianca Antunes | 15 abril - 17:00

O 32º batalhão da Polícia Militar no interior de São Paulo é suspeito de ter abrigado um sistema de fraude de aplicação de vacinas contra a covid-19. Cerca de 20 familiares de policiais teriam furado a fila da vacina

Ao todo, 62 pessoas são investigadas. A Polícia Militar justificou, por meio de uma nota, que seguiu todas as recomendações do programa nacional e estadual de imunização, assim como seus protocolos técnicos.

Foto: Divulgação/Governo de São Paulo

A PM ainda justificou que, de acordo com os protocolos, é necessário “o aproveitamento de doses remanescentes em frascos abertos ao fim do expediente de imunização, se houver”. Ainda assim, havia sido estabelecido que os familiares dos PMs não poderiam entrar nos batalhões durante a vacinação.

“Como forma de proteger o público-alvo e minimizar riscos de propagação da doença, o acesso aos locais de vacinação será restrito aos profissionais de segurança pública, sendo vedado o comparecimento acompanhado de amigos/familiares/outros nas referidas localidades”, descreve a ordem.

A corporação reforçou que o Comando de Policiamento do Interior – 8 instaurou sindicância para apurar a situação.

LEIA MAIS:

Diretor-geral da PF pode substituir chefe da corporação no Amazonas, após denúncia contra Salles

Pacheco divulga oficialmente integrantes de CPI da Covid; veja a lista

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:


Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você