Novas regiões de MG avançam da onda roxa para a vermelha; veja o que muda

Na onda roxa, apenas as atividades consideradas essenciais poderiam funcionar

Por: Aline Bueno Silvestre | 15 abril - 23:50

Após decisão anunciada nesta quinta-feira (15), algumas regiões de Minas Gerais vão poder avançar da fase roxa, mais restritiva, para a fase vermelha nas medidas para conter a pandemia da Covid-19.

As regiões são: macrorregiões de saúde Norte, Sul, Sudeste e Jequitinhonha e as microrregiões de Betim, Belo Horizonte/Nova Lima/Caeté, Vespasiano, Contagem, Curvelo e Manhuaçu.

Regiões de MG vão da fase roxa para a vermelha; entenda o que muda

Foto: Reprodução/Pixabay

A decisão foi anunciada pelo governador Romeu Zema (Novo), que garante que 70% do estado vai evoluir da fase roxa para a vermelha. A medida deve ser publicada oficialmente na sexta-feira (16) e começa a valer no sábado (17).

Após recorde de óbitos, Minas Gerais registra maior número de casos de Covid

Triângulo do Norte, Triângulo Sul e Noroeste, que já estavam na onda vermelha, continuam. No entanto, a adesão à fase vermelha não é obrigatória. Belo Horizonte, por exemplo, não faz parte.

Entenda o que muda

A onda roxa permitia apenas as atividades essenciais. Agora na vermelha, todas podem funcionar, porém com regras de distanciamento e quantidade de pessoas.

Eventos podem acontecer com até 30 pessoas e hotéis com 50% de capacidade. Nos espaços fechados que atendem ao público, a permissão é de uma pessoa a cada 10 metros quadrados. Outros serviços são permitidos com um cliente por atendente.

As academias podem funcionar, desde que tenham produtos para higienização dos equipamentos. Para atendimentos pessoais em outros comércios e serviços, apenas com agendamentos. 

LEIA MAIS:

Vacina da Fiocruz Minas e UFMG avança em testes de laboratório

Cidade no interior de Minas Gerais improvisa túmulos em cemitérios lotados

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você