Fase roxa: saiba o que muda na atual etapa restritiva

Fase mais avançada de contenção da pandemia tem horários específicos e proibição de eventos

Por: Leonardo Fernandes | 18 março - 07:05

O estado de São Paulo está atualmente na chamada “fase emergencial” da pandemia, também conhecida como “fase roxa”. Por se tratar da etapa mais restritiva do Plano SP de contenção do Covid-19, o governo estadual decretou a proibição de eventos, o horário com “toque de recolher”, e a utilização praticamente obrigatória do home office. 

São Paulo está nesta etapa desde a última segunda-feira (15), mas o que a fase roxa de fato muda no nosso cotidiano? E até quando ela vai durar? Confira logo abaixo uma maior explicação sobre esse estágio de restrição!

Loja fechada em rua da cidade

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O que é a fase roxa?

Como dito acima, a fase roxa é a etapa com maior limitação na circulação de pessoas, e com medidas mais restritivas para diminuir o possível contato com o Coronavírus. Ela nunca havia sido utilizada no estado antes, e passou a valer no dia 15/03. A fase emergencial foi implementada pelo governador João Dória até o dia 30 de março, para então o resultado dessa fase ser analisado e um próximo plano de ação ser colocado em prática.

A fase roxa foi estabelecida após São Paulo registrar a pior semana da pandemia, com mais de 2.500 mortes até aquela época.

Quais são as atuais restrições desta fase?

O estágio de contenção emergencial implica na proibição de eventos esportivos, religiosos e passeios em parques, horário de “toque de recolher” e restrição no comércio, e a obrigatoriedade das empresas em escritório passarem para home office. O toque de recolher deve ser obedecido das 20h às 5h, e as pessoas devem sair nas ruas apenas em caso de alguma atividade urgente.

Como dito acima, frequentar praias e parques está estritamente proibido. Os campeonatos de futebol também foram paralisados na região estadual.

O que pode funcionar?

Supermercados, farmácias, padarias, postos de saúde, postos de segurança, serviços de limpeza pública, postos de gasolina, clínicas gerais e veterinárias e bancas de jornais. Além do mais, restaurantes e lanchonetes funcionam com drive-thru; é altamente recomendável que os clientes não consumam nada nos estabelecimentos, e também é proibido retirar a comida dentro dos locais. Delivery continua funcionando.

O transporte público também segue em funcionamento. Os sistemas de ônibus e metrô estão abertos para utilização. E em relação às escolas, a rede estadual está como EAD, e o recesso foi antecipado até o dia 28 deste mês. As escolas particulares, mesmo que não de forma obrigatório, também podem seguir o exemplo da rede pública.

As escolas estão liberadas para agendamento de merenda e orientação de aulas online, caso os alunos precisem.

E como fica a saúde?

No momento, as redes pública e particular de saúde estão com níveis alarmantes de ocupação. Com isso, é possível que o governo do estado retorne com os hospitais de campanha.

E sobre a vacina em São Paulo, a próxima etapa do plano de imunização estadual será para as pessoas na faixa etária de 72 a 74 anos. Ela acontecerá a partir da próxima sexta-feira, dia 19 de março.

Leia mais notícias:

Entenda o que é a Média Móvel nos dados da Covid

Brasil alcança 2.000 na média móvel de mortes e recorde de casos da COVID-19

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você