Estoques de “kit intubação” podem acabar em 20 dias

O “kit intubação” inclui remédios para anestesia, sedação e relaxamento muscular

Por: Marina Correa de Genaro | 18 março - 13:58

Segundo informações das secretarias municipais de Saúde, os estoques do “kit intubação” estão em níveis críticos e podem acabar em 20 dias. Neles estão inclusos remédios para anestesia, sedação e relaxamento muscular.

O problema ocorre no Distrito Federal, Santa Catarina, Pará e Paraná.

Hospital

Foto: Flávio Jota de Paula

No Distrito Federal, o presidente do Conselho Regional de Medicina, alertou para o baixo estoque de antibióticos e sedativos na rede pública. O dia começou com o estoque zerado de dois remédios, o anestésico geral, propofol, e o relaxante muscular, que serve para facilitar a intubação, vecurônio.

Em Florianópolis, no hospital Nereu Ramos, os medicamentos de intubação estão sendo diluídos para render mais e a Secretaria de Saúde de Santa Catarina diz que há risco de desabastecimento.

Já no Paraná, os bloqueadores neuromusculares são suficientes para apenas dois dias e os sedativos para mais uma semana. No Pará, os 12 hospitais da rede estadual só possuem estoque para mais 15 dias.

Foi informado pelo Ministério da Saúde que a definição sobre a necessidade de compra de medicamentos do “kit intubação” ocorre em parceria com os estados, municípios e a Anvisa.

LEIA MAIS:

Número de mortes diárias por covid no Brasil pode subir para 4 mil

Brasil alcança 2.000 na média móvel de mortes e recorde de casos da COVID-19

Entenda o que é a Média Móvel nos dados da Covid

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você