Doses da CoronaVac devem ter maior intervalo, diz microbiologista

A vacina tem eficácia de 50,7%, mas pode chegar a 62,3% com intervalos maiores entre as doses

Por: Bianca Antunes | 12 abril - 14:16

A microbiologista Natalia Pasternak afirmou que resultados indicam maior eficácia da CoronaVac com maior intervalo entre a aplicação da primeira e segunda dose.

A vacina tem eficácia de 50,7%, mas pode chegar a 62,3% com intervalos maiores entre as doses, além da proteção contra todas as variantes.

OMS deve se reunir para discutir eficácia da Oxford

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

“O espaçamento maior entre doses de 28 dias aumenta a eficácia da vacina, de 50% para 60% aproximadamente. Isso já era esperado pela comunidade científica, porém usaram inicialmente o prazo de 14 dias para acelerar os estudos”, disse Pasternak.

Ela ainda afirmou que não é o momento de flexibilização das medidas mais restritivas de isolamento social. “Não devemos flexibilizar no momento. Uma quarentena mal feita é pior que uma quarentena forte no começo. Como não tivemos coragem de implementar quarentena rígida, as pessoas ficam mais cansadas, então a adesão fica mais difícil,” completou.

A microbiologista espera mudanças na diretriz de aplicação das vacinas para garantir a maior eficácia.  “Deve haver mudança de diretriz para o espaçamento entre a primeira e segunda dose. Isso não quer dizer que não vamos precisar da segunda dose”, concluiu.

LEIA MAIS:

Instituto Butantan libera mais 1,5 milhão de doses da CoronaVac para Ministério da Saúde

CoronaVac: Aplicação de dose de reforço é estudada por Butantan, diz diretor de pesquisa

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:


Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você