Universidade Oxford diz que vacina contra malária apresenta eficácia de 77%

Estima-se que cerca de 435 mil pessoas morrem decorrente da doença por ano; O imunizante ainda está na fase de testes clínicos

Por: Marina Ponchio Gomes Ferreira | 23 abril - 14:17

Nesta sexta-feira (23) um estudo divulgado pela Universidade de Oxford, mostrou que uma vacina contra a malária possui eficácia recorde durante testes na fase 2, aumentando as esperanças de que uma das doenças mais mortais do mundo consiga ser controlada. 

A vacina desenvolvida por Oxford, é conhecida como R21 e mostrou eficácia de até 77% em um ensaio com 450 crianças em Burkina Faso, país da África Ocidental, durante 12 meses. Segundo a Universidade, o imunizante foi o primeiro a cumprir a meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) de uma vacina contra a doença com pelo menos 75% de resultados positivos. 

LEIA TAMBÉM

Índia supera EUA e bate recorde de casos de Covid em 1 único dia

CPI da Covid deve investigar compra de vacinas e distribuição de cloroquina

Foto: Reprodução/Pixabay

O principal investigador do estudo, Halidou Tinto, afirmou que “esses resultados são empolgantes, mostrando níveis de eficácia sem precedentes de uma vacina que foi bem tolerada em nosso programa de teste […] Estamos ansiosos para o próximo ensaio de Fase 3 para demonstrar dados de segurança e eficácia em larga escala para a vacina que é muito necessária”. 

As crianças usadas no teste clínico tinham entre 5 e 17 meses. Elas foram divididas em três grupos, e os especialistas relataram que o grupo de dose mais alta tinha 77% menos probabilidade de se contaminar com a doença. Em comunicado, a instituição afirmou que não “houve eventos adversos graves relacionados à vacina”. 

Fase 3 do estudo clínico 

Os pesquisadores, o Serum Institute of India e a farmacêutica Novavax estão agora procurando voluntários para a fase 3 do ensaio clínico “para avaliar a segurança e eficácia em larga escala em 4.800 crianças, com idades entre 5 e 36 meses, em quatro países africanos”. 

A expectativa é que no futuro, sejam produzidas ao menos 200 milhões de doses do imunizante por ano, o que ocasionaria um “grande impacto na saúde pública se o licenciamento for obtido”, destacou Oxford. 

A Malária 

A malária é uma doença parasitária transmitida pela picada de fêmeas do mosquito Anopheles. É evitável e tratável, mas estima-se que cerca de 435 mil pessoas morrem decorrente da doença por ano, a maioria são crianças menores de cinco anos. 

De acordo com a OMS, a região do continente africano foi responsável por 94% de todos os casos e mortes por malária em 2019. “A malária é uma das principais causas de mortalidade infantil na África”, disse Charlemagne Ouédraogo, Ministro da Saúde de Burkina Faso.

LEIA MAIS

Saúde diz que capitais terão prioridade para receber a vacina da Pfizer

Treze pacientes com covid-19 morrem durante incêndio em hospital na Índia

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo: