Saúde mental na pandemia da Covid-19 é tema entre psicólogos

Ministério da Saúde diz que ansiedade é o transtorno mais presente no período

Por: Marina Correa de Genaro | 29 março - 18:45

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), quase 1 bilhão de pessoas vivem com transtorno mental. E com o surgimento da pandemia do novo coronavírus, em 2020, diversas pessoas em todo o mundo estão sofrendo impactos adicionais na saúde mental.

Dados fornecidos pelo Google, informam alta de 98% nas buscas sobre termos relacionados a transtornos mentais durante esse período em comparação com a média dos dez anos anteriores. A pergunta “como lidar com a ansiedade” bateu recorde de interesse na última década e em relação a 2019, houve um crescimento de 33%.

A saúde mental durante a pandemia da Covid-19

Foto: Thanakorn Suppamethasawat

Para a psicóloga Ana Paula Granzotto, formada na PUC-Campinas e com mestrado em psicologia social e institucional pela UFRGS, o fato de estarmos vivendo em uma situação única e extremamente ameaçadora, onde o risco de contaminação é eminente, acabamos tendo uma oscilação emocional muito grande, gerando insegurança, medo e fazendo com que muitas pessoas possam adoecer psiquicamente ou clinicamente.

“Certamente houve aumento na depressão, ansiedade e síndrome do pânico. As pessoas estão vivendo uma situação que é um trauma e elas processam isso de uma forma muito singular, principalmente por estarmos em um momento que é necessário se reinventar e ver o mundo de outra forma”. Completa a psicóloga.

O Ministério da Saúde realizou uma pesquisa sobre a saúde mental do brasileiro durante a pandemia e informou que a ansiedade é o transtorno mais presente no período. Em pesquisas divulgadas pela Fiocruz, 52,6% afirmam ter sentimentos de ansiedade e 40,4% depressão.

Para Ana Paula, todas as faixas etárias estão sendo afetadas. As crianças por estarem em uma fase da vida que é propícia para a socialização e de uma hora para outra precisarem ficar em casa, os jovens por precisarem adiar planos, criando muita frustação, os adultos por adquirirem uma sobrecarga de atividades em casa juntamente com as questões profissionais, e os idosos que não podem mais receber visitas de amigos e parentes.

Dicas

Mais de 75% das pessoas com transtornos mentais, que vivem em países de baixa e média renda, não recebem nenhum tratamento para minimizar essas condições. Porém, no Brasil durante a pandemia, o Ministério da Saúde reforçou o atendimento em saúde mental. R$ 1,1 milhão foram investidos para ampliação dos serviços e incentivada abertura de 24 novos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e 40 novos leitos de saúde mental em hospital geral.

Quem já possui uma certa propensão pode ficar mais instável nesses momentos de crise e para amenizar essas situações, há algumas dicas de psicólogos que podem ser seguidas para enfrentarmos esse momento.

“A principal dica que eu daria é tentar minimamente manter uma rotina, uma rotina pensada com estratégias de cuidado, pensar em atividades, que mesmo dentro de casa, sejam prazerosas. Atividade física ou até mesmo a meditação, que tem crescido bastante nesse período, também nos ajuda. Outra dica importante é realizar o distanciamento das informações, tentar estabelecer um momento que irá pesquisar sobre a pandemia, não precisa se alienar, apenas escolher um momento do seu dia onde possa ver um noticiário, ler um jornal ou outro meio de comunicação”. Diz Ana Paula.

É um momento que precisamos ser mais generosos com nós mesmos, precisamos recuar nas nossas solicitações internas e externas. É importante nos cuidarmos, olharmos para nós com carinho e ter em mente que não é mais possível reagir como reagíamos antigamente. Precisamos colocar em prática outro modo de viver.

LEIA MAIS:

Um a cada seis profissionais da saúde tem sinais de burnout

São Paulo: Kit-intubação enviada pelo Ministério da Saúde só dura 12 horas

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

Deixe seu comentário

BOMBOU!

Recomendadas para você