Filho de Chorão é cobrado em mais de R$300 mil por shows que o pai não fez por ter morrido

Chorão tinha nove shows marcados quando morreu, em março de 2013

Por: Amanda Oliveira | 03 dezembro - 08:58

Quase sete anos após a morte de Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr., o filho do cantor, Alexandre Ferreira Lima Abrão, está enfrentando um caso na Justiça por conta dos shows que o pai não pôde fazer por ter morrido.

De acordo com a “Folha de S. Paulo”, Alexandre recebeu uma notificação extrajudicial da empresa Promocom Eventos e Publicidade nove meses depois da morte do pai, cobrando-lhe uma indenização por 9 shows que estavam marcados antes de Chorão morrer.

“Faleceu sem atender à totalidade das obrigações assumidas”, diz um trecho do texto, acrescentando que “notoriamente, tais obrigações não poderão [mais] ser atendidas”.

Segundo o advogado da acusação, Rodrigo Ramina de Lucca, “com a morte de Chorão, o capital investido deixou de fazer o lucro esperado”. Ele também afirmou que “ao investir consideravelmente na contratação da banda, a empresa deixou de contratar outro artista, o qual poderia ter-lhe proporcionado a receita inerente à sua atividade”.

Projota lança clipe de “Perto do Céu”, em homenagem a Chorão

Theo Becker diz ter se comunicado com Chorão: “Acho que ele fez telepatia comigo”

Foto: Reprodução/Instagram

A empresa que está cobrando Alexandre pede R$ 225 mil de indenização, além do pagamento de uma multa no valor de R$ 100 mil por descumprimento de contrato, que previa a realização de 12 shows – mas apenas três foram feitos.

Para Reginado Ferreira Lima, advogado e avô de Alexandre Ferreira, a acusação é uma “loucura”. “Naturalmente, o Chorão não tinha como fazer os shows, ele morreu…”, disse.

Alexandre Magno Abrão, conhecido como Chorão, foi encontrado morto aos 42 anos em seu apartamento, em São Paulo, em março de 2013, vítima de uma overdose.