Veja as cidades que cancelaram o carnaval por falta de água

 

A crise hídrica no sudeste do Brasil não afeta somente o dia-a-dia da população e, por isso alguns municípios decidiram cancelar o carnaval.

Confira quais são essas cidades:

Araras (SP) – oficializou o cancelamento do carnaval no fim de janeiro; a população da cidade está em rodízio desde outubro.

Cordeirópolis (SP) – decretou estado de calamidade pública desde junho de 2014 por conta da falta de água e temia não conseguir suprir a demanda de visitantes.

Catanduva (SP) – a prefeitura preferiu cancelar a festa e investir os recursos no combate à dengue, que tem a crise hídrica como um dos principais fatores para o aumento da doença, segundo o próprio ministro da Saúde. Cerca de R$ 1,5 milhão serão economizados.

Penápolis (SP) – cancelou o evento que a cidade chama de Carnaval Popular para, assim como Catanduva, priorizar o combate à dengue.

Orlândia (SP) – com o cancelamento do carnaval, a cidade economiza verba de R$ 300 mil, que serão investidos na compra de um reservatório de água.

Estiva Gerbi (SP) – a cidade, que vem sofrendo desde o ano passado com cortes de água no abastecimento, cancelou o carnaval para economizar.

Penápolis (SP) – cancelou o evento que a cidade chama de Carnaval Popularpara, assim como Catanduva, priorizar o combate à dengue.

Orlândia (SP) – com o cancelamento do carnaval, a cidade economiza verba de R$ 300 mil, que serão investidos na compra de um reservatório de água.

Estiva Gerbi (SP) – a cidade, que vem sofrendo desde o ano passado com cortes de água no abastecimento, cancelou o carnaval para economizar.

Itapecerica (MG) – falta água em regiões da cidade por até três dias na semana. A cidade seguiu a recomendação do Ministério Público e cancelou o evento. No ano passado, a cidade recebeu cerca de 20 mil turistas.

Itaguara (MG) – prefeitura do município diz que Itaguara não terá carnaval pois a cidade passa pela “mais grave crise hídrica da história”.

Oliveira (MG) – comunicado oficial da prefeitura diz que “o cancelamento [do carnaval] se justifica, especialmente, pelas dificuldades no abastecimento de água” e lembra que o município já passa por racionamento em algumas regiões.

 São Gonçalo do Pará (MG) – a prefeitura preferiu cancelar o evento por causa a crise hídrica. Durante o carnaval de 2014, faltou água na cidade no período do Carnaval.

Carmópolis de Minas (MG) – nota no site da prefeitura diz que “além dos problemas com a aglomeração de foliões, o município está se precavendo de possíveis racionamentos ou falta de água como os vivenciados por vários municípios, devido ao baixo volume de chuvas”.

Carmo da Mata (MG) – segundo a prefeitura, a “festividade poderia gerar
um consumo muito elevado de água e, consequentemente, prejudicar o abastecimento da cidade”.

São Francisco de Paula (MG) – cancelado, segundo nota publicada no site da prefeitura, por questões de segurança pública e ‘para que não haja comprometimento no abastecimento de água da cidade”.

Itabira (MG) – os reservatórios da cidade estão capacidade mínima e já utilizando o volume morto. Os habitantes estão em racionamento desde setembro.

Passatempo (MG) – em nota oficial no Facebook da prefeitura, o motivo de cancelamento do carnaval é a “provável falta de água que poderia ocorrer nas festividades”. A situação hídrica no município está em sinal de alerta e a cidade, que não possui represa, poderia sofrer um colapso no abastecimento durante o carnaval.

Campina Verde (MG) – a juíza Eleusa Gomes concedeu uma liminar proibindo a festa na cidade. No carnaval, segundo ela, “pessoas enchem caminhonetes de água para se refrescarem”. A juíza disse ainda que “há a necessidade de gastos com inúmeros caminhões de água para lavarem as ruas em todas as manhãs de carnaval”.

 

Por Raiane Saraiva

RECOMENDADAS PRA VOCÊ

Deixe seu comentário

MAIS DIVERSÃO

Carregar Mais